A Tragédia Reencontrando a Realidade

Vivemos, mundialmente falando, uma grave pandemia que constitui, de certa forma, em tragédia sobre vidas, em primeiro lugar, economia e perspectiva de futuro, embora também possamos identificar sinais a serem levados em consideração para o pós-crise.

Mas esse período que se seguirá à crise decorrente do COVID-19 exigirá de todos um reencontro com a realidade, sob pena de não aprendermos com os erros do passado.

A woman wears a protective face mask as a precautionary measure against coronavirus disease (COVID-19), in Sao Paulo
Foto: Amanda Perobelli/Reuters

O primeiro aspecto nesse sentido é a constatação de que cabe à força de trabalho, sempre socialmente combinada, trazer à existência bens e serviços. O trabalho humano é dimensão ineliminável de todas as sociedades, sob quaisquer modos de produção. Quando empresas vêm, na atual conjuntura, a público para dizer que “sem a retomada da atividade econômica quebraremos” é inevitável concluir que o trabalho humano está na base da materialidade que nos sustenta. De aplicativos a robôs, passando pela nanotecnologia, a atividade laboral é a que tudo produz.

Uma segunda dimensão com a qual nos reencontramos diz respeito ao papel da ciência e da pesquisa (também elas resultado do dispêndio de energia física e mental de quem trabalha) para a produção de tudo que nos é necessário. Negligenciar a importância do conhecimento científico e dos investimentos em pesquisa representa um custo econômico, político e social inestimável.

Por fim, mas não menos importante, parece que recuperamos a lucidez segundo a qual “O que esta pandemia revela é que existem bens e serviços que devem ficar fora das leis do mercado” (frase de Emmanuel Macron, presidente da França). O neoliberalismo, notadamente suas medidas de desregulamentação de direitos sociais e privatizações, começa a ser posto, na prática e a duras penas, sob forte questionamento.

O mundo não será o mesmo após essa crise. Não há nisso novidade, pois, pela dialética, sabemos que o movimento é permanente. Mas a direção que as mudanças terão dependerá, em larga medida, de nossa capacidade de garimparmos tantos reencontros que a presente crise nos oferece, desde que façamos “análise concreta de situações concretas” (Lênin).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s